ABC - Política -

Ex-prefeito de Diadema, Gilson Menezes morre aos 70 anos

Político foi o primeiro prefeito eleito pelo Partido dos Trabalhadores (PT) no Brasil, em 1982

O ex-prefeito de Diadema Gilson Menezes morreu na madrugada deste domingo (23), aos 70 anos de idade. Ele estava internado em Santa Catarina devido ao agravamento de seu quadro de saúde – com problemas renais, o político aguardava há quatro meses por um transplante de rim.

Em 1982, nas primeiras eleições diretas para cargos do Executivo e Legislativo (excluindo-se o posto de presidente da República) desde o golpe de 1964, o então sindicalista e metalúrgico foi o primeiro prefeito que o PT (Partido dos Trabalhadores) elegeu no país. À época, a sigla tinha apenas dois anos de história.

Pelo PT, Gilson Menezes governou Diadema entre os anos de 1982 e 1988 (ano em que deixou a legenda) e voltou ao comando do Paço Municipal 1997 a 2000, pelo PSB. Sem esconder a frustração com o partido que ajudou a fundar, ao lado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, passou ainda por PSC, PDT, MDB e pelo antigo PL.

Gilson Menezes, quando foi eleito prefeito de Diadema pelo PT (Foto: Fernando Santos/FolhaPress)

Também deputado estadual por dois mandatos (o segundo incompleto) e vice-prefeito, ele chegou a ter seus bens bloqueados pela Justiça por suspeitas de irregularidades cometidas na época em que foi prefeito da cidade do Grande ABC pela segunda vez, devido à doação de livros para a Prefeitura por uma empresa que ele alegava não ter contratado. “Posso andar na rua com dignidade e dizer: não sou corrupto e odeio corruptos”, declarou sobre o episódio em entrevista à revista Veja, em 2016.

Relação com Diadema

Nascido em Miguel Calmon (BA), em 16 de julho de 1949, Gilson Luiz Correia de Menezes chegou à Região Metropolitana de São Paulo com 11 anos de idade e sua família se fixou em Diadema. Metalúrgico, ele trabalhou na Petri e na Scania, onde foi um dos líderes, juntamente com “companheiros” do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, das históricas greves de 1979, em plena Ditadura Militar.

Em 2016, buscou uma vaga na Câmara de Diadema, porém, obteve apenas 360 votos, pelo PDT. No ano seguinte, anunciou sua aposentadoria das urnas e mudou-se para Santa Cruz da Conceição, no Interior paulista.

O velório do ex-prefeito terá início as 17h deste domingo na Câmara Municipal de Diadema. O sepultamento ocorrerá na manhã desta segunda-feira, no Cemitério Municipal de Diadema.

Leia também:

Luisa Mell acolhe animais do CCZ de Ribeirão Pires

 

COMPARTILHAR: