ABC - Sociedade -

Alcina celebra 50 anos de história em São Caetano

Primeira escola municipal de São Caetano do Sul, o Alcina Dantas Feijão comemora, nesta quarta (08/03), 50 anos de existência. Para marcar o jubileu de ouro, alunos, professores e convidados vão depositar uma cápsula do tempo no jardim em frente ao prédio do estabelecimento, no Bairro Mauá, com fotos, cartas, objetos e recortes de jornais.

A atual diretora, Maiberte Brogliato

A atual diretora, Maiberte Brogliato

“A ideia é que essa cápsula seja aberta só daqui a 50 anos, pois queremos mais cinco décadas de história, o Alcina merece”, diz a atual diretora Maiberte Brogliato, que tem 26 anos de atuação na rede de ensino de São Caetano, sendo 20 deles como professora e coordenadora no próprio Alcina – hoje EME (Escola Municipal de Ensino), mas até 2004 CIM (Centro Interescolar Municipal), o que faz com que a população da cidade faça referência a “o Alcina” e não “a Alcina”.

 

O jornalista e autor deste blog (Gustavo Baena, com caneca em comemoração aos 50 anos) estudou no Alcina de 1992 a 1994, no curso técnico em Administração

O jornalista e autor deste blog (Gustavo Baena, com caneca em comemoração aos 50 anos) estudou no Alcina de 1992 a 1994, no curso técnico em Administração

“Minha vida foi construída aqui. Foram muitas conquistas pessoais e profissionais nesse período. É um momento único, porque aqui temos uma grande família e já sentimos um clima especial, de parceria e envolvimento, de professores, funcionários, alunos e ex-alunos”, completa a diretora.

Ex-alunos famosos ou de destaque por seu desempenho, aliás, serão homenageados num evento, no próximo dia 26 de abril, no Teatro Santos Dumont. Outras atrações já vem sendo desenvolvidas, como roda de samba com um grupo de alunos do ensino médio, aula de axé (uma marca dos anos 90, assim como as viagens de formatura a Porto Seguro), exposição sobre a história da escola, apresentação da Banda Marcial e a produção de canecas com logomarca comemorativa.

HISTÓRIA

Em 8 de março de 1967, foi criado o Ginásio Comercial, num convênio entre a Prefeitura de São Caetano e o Governo do Estado. Já no ano seguinte (em 15 de agosto de 1968), o município assumiu a escola, que passou a se chamar Colégio Comercial Municipal Profª Alcina Dantas Feijão.

Em 1968, o então Ginásio Comercial passou a chamar Colégio Comercial Prof ª Alcina Dantas Feijão

Em 1968, o então Ginásio Comercial passou a chamar Colégio Comercial Prof ª Alcina Dantas Feijão

O nome Centro Interescolar Municipal (CIM) Profª Alcina Dantas Feijão veio em 09 de abril de 1976. Até então, tratava-se de uma autarquia, que contava com auxílio da Prefeitura para gerenciar seus recursos, mas tinha autonomia no método de ensino, que se tornou modelo no ABC. Desde 17 de novembro de 2004, com a municipalização de várias escolas da cidade, virou EME Profª Alcina Dantas Feijão, passando posteriormente a seguir o currículo unificado de toda a rede.

“Foi a primeira escola no ABC a ser reconhecida, em 2002, como associada da Unesco  (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) por sua qualidade de ensino e projetos de cidadania”, ressalta a atual secretária municipal de Educação, Janice Paulino César, lembrando que várias vezes a EME Alcina Dantas Feijão foi classificada entre as melhores escolas públicas do Brasil.

Segundo Maiberte, o desafio hoje é recolocar o Alcina em posição de destaque tanto no IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) quanto no ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio). Nesta terça (07/03), professoras finlandesas estiveram na escola validando o projeto Scala, uma plataforma digital que tem o uso do celular como ferramenta pedagógica em sala de aula.

MARCARAM ÉPOCA

Antigo uniforme marrom identificava os "feijõezinhos"

Antigo uniforme marrom identificava os “feijõezinhos”

Nas lembranças de ex-alunos estão, por exemplo, o uniforme marrom (com direito a tênis All Star na mesma cor), as aulas de axé do professor Leandro Melão, a dona Dolores (orientadora educacional que está há 33 anos na escola), o rigoroso vestibulinho, a monografia para a conclusão de cursos e as turmas de Magistério e Secretariado (cursos que deixaram de existir). Mas em 2011 um episódio triste se tornou a marca negativa, impossível de esquecer mesmo no cinquentenário. O aluno Davi Mota Nogueira, de 10 anos, atirou na professora Rosileide Queiros de Oliveira antes de cometer suicídio (após se recuperar, Rosileide pediu afastamento da rede municipal).

Atualmente, são 1,8 mil alunos nos períodos manhã, tarde e noite, divididos em ensino médio, fundamental 1 e 2 e técnico em Administração, Logística, Publicidade, Tecnologia da Informação e Contabilidade (o pioneiro). A partir de 2018, a escola não terá mais alunos do Fundamental 1 (do 1º ao 5º ano).

Confira outras imagens da história da EME Profª Alcina Dantas Feijão:

Fotos Alcina reprodução (10)

Fotos Alcina reprodução (6)

Fotos Alcina reprodução (7)

Fotos Alcina reprodução (3)

Leia também:

Auricchio e vereadores visitam futuro Hospital São Luiz em São Caetano

 

Compartilhar: