ABC - Política -

Vice pede paciência a educadores em São Caetano

Diante a iminência de uma manifestação bater à porta logo na segunda semana de mandato, o vice-prefeito Beto Vidoski (PSDB) usou sua página em uma rede social para sair em defesa do novo governo e pedir paciência aos educadores de São Caetano do Sul. Os profissionais terminaram o ano sem ver os valores de abono e férias depositados na conta.

“Pedimos um pouco de compreensão e menos intransigência. Acreditamos ser improdutivo manifestações frente a um governo de apenas sete dias”, escreveu o vice, emendando críticas à gestão anterior. O fato de não ter ocorrido a transição na cidade também foi lembrado.

O ex-prefeito Paulo Pinheiro (PMDB) se comprometeu a fazer o depósito aos funcionários da Educação antes de deixar o Palácio da Cerâmica, o que não ocorreu. Já José Auricchio Júnior (PSDB), o atual chefe do Executivo, prometeu pagar na última sexta-feira (06), mas a expectativa acabou frustrada e a Comissão da Educação Municipal convocou um protesto em frente ao prédio da Câmara. O texto, divulgado em grupos de WhatsApp, pede uma manifestação pacífica, apesar “dos problemas financeiros e pessoais enfrentados”.

A justificativa de Vidoski é a de que o dinheiro das férias de 2016 só foi liberado justamente na sexta, sendo necessário um dia útil para a liberação, e os recursos estarão disponíveis nesta segunda (09). Sobre as duas parcelas do abono, o vice alegou que em uma semana não é possível imaginar o fluxo de caixa de janeiro, mas que estarão abertos ao diálogo para que uma proposta viável possa ser cumprida.

Ele e o prefeito Auricchio participaram neste domingo (08) da 40ª edição da tradicional Prova de Reis de São Caetano. Vidoski agradeceu os funcionários que se empenharam em colocar o evento na rua em apenas cinco dias de organização.

Atualização

Após uma reunião que se estendeu até a noite deste sábado (07) com representantes da Prefeitura, na qual ouviram o mesmo posicionamento do vice, e uma conversa com o vereador Tite Campanella (PPS) – em nome do governo – membros da Comissão da Educação decidiram, ainda assim, manter a manifestação. Até a tarde deste domingo a posição seguia a mesma.

Compartilhar: