ABC - Política -

Prefeitura de Santo André e AES Eletropaulo assinam acordo para economia no consumo de energia

A Prefeitura de Santo André e a AES Eletropaulo assinaram, na manhã desta terça (31), protocolo de cooperação técnica entre para a criação do projeto de Gestão Energética Municipal. Além do aspecto sustentável, a parceria visa a economia de recursos, a partir da redução de energia elétrica nos prédios públicos.

Com medidas como o uso racional do ar condicionado e apagar as luzes dos departamentos após o expediente, é possível reduzir de 30% a 45% o consumo. O desperdício de energia elétrica costuma ser a segunda maior despesa dos municípios (de 60 a 70% dos gastos), segundo o consultor Roberto Velasquez, da empresa Facto Energy, parceira da AES Eletropaulo.

“Diante da crise orçamentária que assumimos, é um projeto bem importante e que pode gerar uma economia inicial de R$ 1,5 milhão”, disse o prefeito Paulo Serra (PSDB). De acordo com ele, além de fornecedora de energia elétrica, a AES Eletropaulo será uma parceira ainda mais efetiva de Santo André na aceleração de serviços como a poda de árvores. “Já conversamos sobre isso”, adiantou.

A proposta de transformar Santo André numa “cidade eficiente” passará pela retomada da instalação de lâmpadas de LED pelas vias públicas. O prefeito explicou que os recursos serão garantidos pela CIP (Contribuição de Iluminação Pública), o que permite tocar o projeto independentemente dos problemas de caixa do Paço.

Além de Serra e Velasquez, participaram do evento – no salão de eventos Burle Marx, no Paço Municipal – o presidente da Câmara, Almir Cicote; a coordenadora de Clientes Públicos da AES Eletropaulo, Andreia Andrade; o coordenador de Eficiência Energética da AES Eletropaulo, Rubens Leme; o coordenador do Projeto de Gestão Energética, Maurício Gusmão; e o coordenador geral do projeto na Prefeitura, José Carlos Martinez Melero (que estará a frente de uma comissão para a economia de energia com representantes de todas as secretarias).

Leia também:

Prefeito Paulo Serra espera economizar R$ 3 milhões com corte de carros oficiais

 

Compartilhar: