ABC - Sociedade -

Festival de Inverno de Paranapiacaba começa neste sábado com novidades na vila andreense

Um dos destaques será a entrega da Torre do Relógio, réplica do famoso Big Ben de Londres, restaurada e iluminada após anos de abandono

Após mais de dez anos sem funcionar, o relógio da charmosa vila inglesa do ABC será entregue neste sábado (20), no primeiro dia do Festival de Inverno de Paranapiacaba, um dos eventos mais tradicionais da região e que chega neste ano à 19ª edição. A cerimônia oficial terá início às 19h, com a presença do prefeito de Santo André, Paulo Serra (PSDB), e inédito show de luzes. Além do restauro de bens, a programação conta com outros destaques.

Entre as mais de 100 atrações culturais e artísticas, estão agendados shows, oficinas, saraus, contação de histórias, exposições, espetáculos teatrais e de dança em diferentes pontos, como a plataforma do Expresso Turístico, o Mercado, a rua Fox, a rua Direita, o Locobreque e o Clube União Lyra-Serrano, que abrigará atividades do Sesc, parceiro da Prefeitura no evento. Como destaca o chefe do Executivo andreense, as diferentes opções ajudam a evidenciar ainda mais a principal atração do festival: a própria vila de Paranapiacaba.

Prefeito Paulo Serra fala durante entrevista coletiva de lançamento do 19º FIP (Foto: Helber Aggio / PSA)

“Neste ano, mais uma vez a programação foi pensada para atender uma mudança de lógica adotada desde o início da gestão, em 2017, que coloca a vila como grande destaque do festival. A criação de tantos pontos com apresentações colabora para isso ao incentivar o público a caminhar de um lugar para outro e, com isso, curtir as belezas do local”, disse o prefeito Paulo Serra, durante entrevista coletiva de lançamento do 19º FIP, no início do mês.

A Torre do Relógio

Construída em 1898, a réplica do Big Ben de Londres foi totalmente restaurada e passou a contar com uma iluminação especial. O relógio da estação de trem de Paranapiacaba teve última ação para conservação realizada em 2003.

Quem for à vila durante o FIP vai poder conferir também o Museu Castelo, que passou por reforma, além de outros locais que foram restaurados, como a Garagem das Locomotivas, a Oficina das Locomotivas, a Igreja Senhor Bom Jesus de Paranapiacaba e a Casa da Família Ferroviária (Casa Fox).

Durante o festival, o Banco de Alimentos irá arrecadar 1 kg de alimento não perecível por visitante ou itens de higiene. Também será entregue a Casa Escola Solidária, que funcionará no Antigo Galpão de eletroeletrônica. O local vai abrigar série de atividades desenvolvidas pelo Fundo Social de Solidariedade, em parceria com secretarias da Prefeitura, como a de Cidadania e Assistência Social e de Meio Ambiente.

Atrações

O prefeito acrescentou que os artistas locais representam cerca de 42% das atrações deste ano, o que atende a uma outra proposta recente do festival, que é a de dar oportunidade para os profissionais da região. “Esta edição terá investimento de R$ 350 mil da Prefeitura e mais R$ 230 mil da iniciativa privada, que são nossos parceiros”, afirmou.

O Blog do Baena preparou uma lista com apresentações de artistas de diferentes estilos musicais. A centenária Banda Lira, corporação musical de Santo André – patrimônio da cidade e umas das mais antigas do Brasil -, abre o festival (sábado, dia 20, às 10h, na Plataforma do Expresso Turístico).

Corporação Musical de Santo André, conhecida como Banda Lira (Foto: Alex Cavanha / PSA)

O grupo ManaTiana apresenta seu projeto instrumental autoral que mescla ritmos cubanos, música brasileira e jazz. Improvisações, groove e uma pitada de psicodelia deixam o som descontraído e dançante. Com Lua Bernardo, Mariana Oliveira, Rayra Maciel, Carlos Junior, Deivide Bubone e Leandro Melque (sábado, dia 20, às 13h, no palco do Mercado).

Banda ManaTiana (Foto: Divulgação)

O andreense Leandro Segredo promete envolver os fãs de rap e da cultura hip-hop. Apaixonado por basquete e skate, ele passou por diversos grupos até concretizar seu trabalho solo em 2016. Mestre de cerimônias (MC) em eventos, já abriu shows de grandes nomes do rap nacional. Neste ano, lançou “Ela tem o Dom” e prepara um novo EP (sábado, dia 20, às 16h, no palco da Rua Direita).

O MC e compositor andreense Leandro Segredo (Foto: Divulgação)

Leandro Matos divulga seu álbum “Chamada Geral”, com o resgate, a preservação e modernização da cultura afro-brasileira. Um reflexo da música brasileiríssima de um jovem artista que compõe e produz com maestria seus sambas, jongos, choros e ijexás (domingo, dia 21, às 13h, no palco do Mercado).

O sambista e compositor Leandro Matos (Foto: Divulgação)

A banda paulistana de thrash/crossover Santa Muerte é formada somente de mulheres. Desde 2015, conta com Marília Massaro na guitarra e voz, Jhully Silva na bateria e Rebecca Prado no baixo e back vocal, com grande influência da cena thrash metal oitentista (domingo, dia 21, às 14h, no palco da Rua Direita).

As meninas do Santa Muerte (Foto: Divulgação)

Nascida na periferia de Diadema, Ana Cacimba explora seu lado compositora no show “Delicadeza” e propõe uma conexão com o sagrado e a força feminina. As canções estão imbuídas da cultura afro-indígena e a influência do continente africano é facilmente perceptível no poder da percussão – numa mistura com metais, elementos eletrônicos e o charme do brega. Em novembro de 2018, a cantora lançou seu primeiro single, a canção “Vento de Oyá”, e recentemente apresentou “Todas de Mim”. Em processo de gravação de seu primeiro álbum, ela promete colocar o público para dançar (sábado, dia 27, às 15h, no palco do Mercado).

No som de Ana Cacimba, a força do sagrado feminino e a conexão com o continente africano por meio do canto e do toque do tambor (Foto: Divulgação)

Formado na região do ABC e composto por Juliana Lima, Cacá Molgora e Ana Wick, o Trio Beijo de Moça toca desde xote e forró universitário ao baião e faz um resgate da genuína cultura nordestina com influências de Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro, Dominguinhos e Alceu Valença (sábado, dia 27, às 14h, no palco da Rua Direita).

Trio Beijo de Moça: música nordestina (Foto: Divulgação)

Bia Góes completa 15 anos de carreira e leva seu show “Brasil em Canções” – que estreou no ano passado em Salvador (BA) e passou por 17 teatros – a Paranapiacaba (domingo, dia 28, às 15h, no coreto da praça do Clube União Lyra-Serrano). Prestes a lançar seu terceiro CD, a cantora paulistana apresenta um rico panorama de ritmos e um resgate da história da música brasileira com o urbano, a bossa nova, o samba canção, o forró e a música caipira. No repertório, músicas como “O Mundo Não se Acabou” (Carmem Miranda), “Romaria” (Renato Teixeira) e “Inútil Paisagem” (Tom Jobim), além de clássicos de Ary Barroso, Noel Rosa, Cascatinha e Inhana.

“Esse show representa pra mim um mergulho nas melhores memórias musicais da minha carreira”, revela a cantora, que apresenta ainda a autoral “Flor De Sal”, parceria com o vibrafonista Ricardo Valverde, diretor musical de “Brasil em Canções”. Com dois CDs gravados, a ex-backing vocal de Toquinho e Omara Portuondo foi finalista do Prêmio da Música Brasileira como melhor cantora regional e lançou seu trabalho solo em Lisboa e na Itália.

A cantora paulistana Bia Góes leva mix de brasilidade ao Coreto da Praça do Clube Lyra-Serrano (Foto: Divulgação)

Nos quatro dias de festival, a vila ferroviária promove ainda feiras como a de Artes e Antiguidades, de Vinil e a de derivados do Cambuci, fruto típico da Mata Atlântica, elaborados pelos empreendedores locais, que estarão expondo seus produtos durante o evento. A programação completa está disponível no site da Prefeitura de Santo André e também no aplicativo de Paranapiacaba disponível para Android e iOS.

SERVIÇO 

19º Festival de Inverno de Paranapiacaba (FIP)

Dias: 20, 21, 27 e 28 de julho

Onde comer: Antigo Mercado, Casa Fox e Galpão das Oficinas (praças de alimentação e espaço kids nestes locais) ou nos empreendimentos da vila (restaurantes, bares e cafés)

Estacionamento: na rodovia SP-122 (serviço de ônibus de ida até a parte alta e o retorno ao estacionamento; não será autorizada a entrada de veículos na parte baixa da vila; vans disponíveis para o translado exclusivo de pessoas com deficiência) / R$ 30 para motos, R$ 45 para veículos, R$ 70 para vans e R$ 150 para ônibus

Como chegar de transporte público:  de trem da Linha 10-Turquesa da CPTM até a estação de Rio Grande da Serra (de onde partem ônibus regulares operados pela EMTU) ou pegar os ônibus da EMTU que saem do Terminal Rodoviário de Santo André (TERSA), na estação Prefeito Saladino.

Serviço de wi-fi gratuito

Leia também:

Arquiteto Lucas Osmak aponta resgate da década de 70 em visita à Casa Cor 2019

 

 

Compartilhar: