ABC - Sociedade -

FEASA apresenta “Apocalipse em Caruaru” no Teatro Municipal de Santo André e no Clube Atlético Aramaçan

O grupo de teatro Unindo Cultura & Solidariedade, da Federação das Entidades Assistenciais de Santo André (FEASA), chega neste ano à sua 22ª montagem beneficente com “Apocalipse em Caruaru”, texto de Aldomar Conrado. O espetáculo será encenado entre os dias 04 e 07 de outubro, no Teatro Municipal de Santo André, e terá duas sessões extras, nos dias 17 e 18 de outubro, no teatro do Clube Atlético Aramaçan, sob a direção de César Gustus.

“Apocalipse em Caruaru” é uma adaptação de “O Apocalipse ou O Capeta de Caruaru”, peça inspirada nos gêmeos da “Comédia dos Erros” e nas bruxas de “Macbeth”, de Willian Shakespeare, com ação transportada para o nordeste brasileiro. Referendado na literatura de cordel, o autor constrói uma divertida sátira sobre a realidade brasileira em tempos difíceis.

Dover Buzoni e Felipe Paquieli protagonizam a peça beneficente com personagens inspirados nos gêmeos da “Comédia dos Erros”, vítimas da maldição de duas bruxas

O espetáculo tem início com a ação de duas bruxas preparando uma maldição, mas o que era para ser um feitiço resvala em um grande equívoco no qual irmãos gêmeos são separados de suas mães por uma cigana. Diante desse equívoco, é em Caruaru, cidade do interior de Pernambuco, que a praga das bruxas atinge seu ápice, com direito a muita confusão, além de fatos estranhos e fantásticos. Entre os fenômenos, uma morta que volta à vida, uma moça que não para de crescer, uma mulher que não para de engordar e um cavalo com cabeça de gente.

Tradição

O grupo Unindo Cultura & Solidariedade promove desde 1990 espetáculos teatrais como forma de arrecadar recursos para a FEASA e democratizar o acesso à cultura em Santo André. O sucesso das montagens anteriores motiva a equipe a lançar a cada ano uma nova produção e promover uma reflexão sobre questões sociais, culturais e políticas por meio da arte.

O diferencial é o elenco dos espetáculos, composto por atores profissionais e amadores, de empresários à donas de casa. “Apocalipse em Caruaru” reúne em cena Alexandre Kail (Bruxa Gerusa e Morador Doido); Ana Santilli (Velha 1 e Cosma); Babi Luksevicius (Velha 2 e Sigismunda); Dover Buzoni (Biu e Padre Damião); Eliana Vaz (Beata Marocas); Ério Girelli (Emissário); Euclides Draghi (Sacristão Bonifácio); Felipe Paquieli (Chico e prefeito Antônio Cipriano); Ivan Machado (Apresentador e Cavalo); Marcela Romanov (Ritinha); Marina Ballarini (Agonizante e Moradora); Sara Guimarães (Bruxa); Sila Rocha (Rosinha); Zé Luiz Finhana (Rapaz e Soldado).

Mantendo a tradição, iniciada com a primeira montagem (“O Estranho Casal”), personalidades andreenses e profissionais de destaque nas mais diversas áreas de atuação são convidados para participações especiais. Neste ano, o chef de cozinha Arthur Sauer (Guarda) e a influenciadora digital Nayara de Deus (Cigana) – que participou do “BBB 18”, da Rede Globo – integram o elenco.

A ex-BBB Nayara de Deus (num dos ensaios ao lado de Ana Santilli) participa do espetáculo como uma cigana que tem papel decisivo nos rumos da história

“Além da responsabilidade social, tem um valor afetivo pra mim. Minha mãe (a jornalista Lucia Sauerbronn) atuou na primeira produção da FEASA”, lembra Arthur, que é andreense, assim como Nayara. “Que honra poder fazer o bem e saber que o público vai curtir uma peça divertidíssima e ajudar ao próximo”, afirma a ex-BBB.

A atriz Alessandra Scatena (Empregada Tibúrcia), ex-assistente de palco de programas de Gugu Liberato, no SBT, e o jornalista e apresentador de TV Gustavo Baena (Antônio das Almas), moradores do ABC, também abraçaram a causa. Todos atuam voluntariamente. Pela primeira vez, um educando da APAE de Santo André, Michael Willians de Souza (Habitante de Caruaru), estará em cena para reforçar a preocupação da FEASA com a inclusão de pessoas com deficiência.

“Fiquei feliz da vida com o convite para reforçar o elenco dessa montagem tradicional em prol de projetos tão nobres”, diz Baena – editor do Blog do Baena. “É uma participação pequena que, pela causa, se torna muito grandiosa”, comemora Alessandra.

O jornalista Gustavo Baena faz Antônio das Almas; ele quer um guindaste para salvar sua filha que não para de crescer (em cena com Babi Luksevicius, Sila Rocha e Felipe Paquieli)

O texto aposta no realismo fantástico, com fatos estranhos – como o fenômeno da moça com “doença de coqueiro” – e muita confusão em Caruaru

Fundada em 1970, a FEASA conta com 36 entidades federadas, mas alcança uma rede de mais de 60 instituições. Os projetos – de assistência social, à saúde e à educação – atendem crianças e adolescentes vítimas de violência, pessoas com deficiências, idosos, soropositivos para HIV/Aids, mulheres mastectomizadas e famílias em situação de vulnerabilidade, entre outros.

“O objetivo é contribuir para o aprimoramento dos serviços prestados pelas entidades e para o equacionamento dos problemas comuns”, explica Inezita Awada, presidente da Federação. Além do trabalho de assessoria e capacitação profissional oferecido, a FEASA executa projetos, como o Grupo de Apoio à Adoção Laços de Ternura.

Serviço

“Apocalipse em Caruaru”

Dias: 04, 05, 06 e 07 de outubro de 2018

Horários: quinta a sábado, às 20h; domingo, às 19h

Teatro Municipal de Santo André – Praça IV Centenário s/nº

Capacidade 475 lugares, com acesso para deficientes

Ingressos: R$ 30 (estudantes, maiores de 60 anos e professores da rede pública pagam meia)

 

Dias:  17 e 18 de outubro de 2018

Horários: quarta e quinta-feira, às 20h

Teatro do Clube Atlético Aramaçan – Rua São Pedro, 345 – Bairro Silveira – Santo André

Capacidade 240 lugares, com acesso para deficientes

Ingressos: R$ 30 (estudantes, maiores de 60 anos e professores da rede pública pagam meia; preço especial para associados do Aramaçan: R$ 20)

 

Vendas: na bilheteria do Teatro Municipal, no C.A. Aramaçan ou na FEASA (informações: 4436-7477, em horário comercial)

Aceita cartões de débito e crédito (na bilheteria)

Classificação etária: 10 anos

Duração: 1h30

www.feasa.org.br  

 

(Fotos: Amanda Lemos)

Leia também:

Professora de Diadema vence Prêmio Professores do Brasil

 

Compartilhar: