ABC - Sociedade -

Cidade da Criança, em São Bernardo, fecha as portas após 51 anos de funcionamento

Quarentena teria detonado crise e tornado inviável prosseguimento das atividades, segundo administradora

O Parque Cidade da Criança, marco turístico de São Bernardo do Campo e que fez a alegria de gerações, fechou as portas na manhã desta quinta-feira (27). O anúncio do encerramento das atividades foi feito pelo Grupo ExpoAqua, que administrava o local havia dez anos.

Um grupo de cerca de 120 pessoas protestou na porta do parque, pedindo a reabertura e a garantia dos empregos. O Grupo ExpoAqua tinha autorização para exploração e gestão dos equipamentos de diversão e demais atrações por tempo indeterminado. Os serviços de limpeza, segurança e manutenção do espaço são de responsabilidade da Prefeitura do município.

Razão da crise

Por conta da quarentena, o parque Cidade da Criança está fechado ao público desde o dia 16 de março. Segundo Anael Fahel, diretor do grupo ExpoAqua, com o empreendimento sem funcionar ficou impossível manter os empregos.

A unidade emprega 110 funcionários, sendo que parte deles serão realocados para outros empreendimentos do grupo – como um parque que deve ser aberto em Cotia, na Grande São Paulo, em 2021 – mas parte perderá o emprego. A Cidade da Criança recebia cerca de 400 mil visitantes por ano.

Fahel afirmou à revista Época que desde julho mantinha contato com a Prefeitura de São Bernardo para discutir o protocolo de reabertura do parque, respeitando os critérios de higiene e a restrição no número de visitantes, porém, sem sucesso. O grupo deve começar a desmontar os equipamentos nos próximos dias.

Cerca de 90% dos brinquedos que existem no local pertencem à empresa. Permanecerão no parque a réplica do submarino – uma das atrações mais famosas do local -, o avião e o carrossel.

Submarino é atração mais famosa e está na memória afetiva dos que viveram o auge do parque

História

Inaugurado em outubro de 1968, o Cidade da Criança foi o primeiro parque temático do Brasil e da América Latina, tendo vivido seu auge nos anos 70 e 80. O local atraia turistas de vários pontos do país.

Em área do parque, ao lado dos estúdios Vera Cruz, foi construída a primeira cidade cenográfica de uma telenovela no Brasil – Redenção (1966/1968), da TV Excelsior. Mesmo com o fim das gravações, as visitas continuaram. O terreno e a área construída para a produção foram tombados pelo Conselho Municipal de Patrimônio Histórico e Cultural em 1990.

O local entrou em decadência nos anos 90 com o surgimento de parques como Playcenter e depois Hopi Hari. Abandonado, o parque ficou fechado de 2005 até 2010, quando foi reaberto. Desde então estava sob o comando do Grupo ExpoAqua.

Cidade cenográfica erguida para a novela “Redenção”, nos anos 60, virou área do parque

Cidade da Criança teve réplica do imponente Teatro Amazonas como um de seus destaques

Em 24 de julho de 2019, Ilma Pereira de Souza, de 40 anos, morreu em uma atração do parque. Ela acompanhava a filha no brinquedo conhecido como “Brucomela” e bateu a cabeça em um ferro após passar mal. A Justiça de São Bernardo arquivou o inquérito policial que apurava a morte da mulher – primeiro caso do tipo no local.

Primeiro parque temático da América Latina fez história e encantou gerações

Posição da gestão

Em nota, a Prefeitura Municipal disse que “assim que a cidade for para a fase verde do Plano São Paulo, o parque irá reabrir com este ou outro permissionário que já manifestou interesse em explorar o espaço”.  São Bernardo está na fase amarela do Plano São Paulo, do governo do Estado, e parques temáticos só podem reabrir na fase verde, obedecendo uma série de protocolos sanitários, de acordo com o texto.

O Grupo ExpoAqua informou que os clientes que adquiriram passaportes para uso futuro serão reembolsados.

(Com informações do G1)

Atualização: em 1º de setembro, menos de uma semana após anunciar o encerramento das atividades do parque Cidade da Criança, o Grupo ExpoAqua voltou atrás e decidiu manter o funcionamento do local. Após articulação com a Prefeitura de São Bernardo, houve ainda compromisso pela manutenção dos empregos. 

 

Leia também:

Santo André amplia para oito horas período de funcionamento de estabelecimentos comerciais

 

COMPARTILHAR: