ABC - Sociedade -

Consórcio discute demandas LGBT e Mauá celebra Dia Contra a Homofobia

O Consórcio Intermunicipal Grande ABC promoveu, nesta quarta-feira (17), uma discussão sobre as demandas de políticas públicas de interesse da comunidade LGBT na região. Realizado no Dia Internacional de Combate à Homofobia, o encontro contou com a participação de integrantes do Grupo de Trabalho (GT) e da Comissão LGBT, além de representantes dos poderes Executivo e Legislativo e moradores das sete cidades.

Para Wagner Lima, representante do GT, foi possível estreitar o diálogo sobre as políticas públicas em favor da comunidade LGBT do ABC. “O debate possibilitou que os representantes do poder público ouvissem nossas demandas e esclarecessem suas dúvidas”. “As portas do Consórcio sempre estiveram abertas para os movimentos sociais. O Dia Internacional de Combate à Homofobia não podia passar em branco, por isso convidamos o poder público para conhecer as demandas apresentadas”, ressaltou Silvia Altafim, integrante do GT e da Comissão LGBT.

Para a vice-prefeita de Rio Grande da Serra, Marilza de Oliveira (PSD), o evento reforçou que o combate ao preconceito é fundamental para a valorização do ser humano. “Não podemos permitir que os jovens de hoje tenham uma educação retrógrada na questão de gênero. Temos de trabalhar a cabeça deles para que o respeito esteja acima de tudo”, afirmou. Também de Rio Grande, o vereador Akira Auriani (PSB) participou do encontro.

Ações

Em Mauá, o Conselho Municipal de Direitos Humanos agendou um bate-papo com a comunidade para discutir a conscientização contra a LGBTfobia e orientar homossexuais sobre como agir em casos de preconceito e violência – a partir das 19h, no Centro de Formação de Professores Miguel Arraes, com entrada gratuita.

Mauá tem uma lei municipal (nº 4.803, de 2012) que confirma o 17 de Maio como Dia de Combate à Homofobia na cidade. Segundo a Prefeitura, uma série de atividades foram programadas para marcar a data (orientações sobre como proceder em casos de intolerância e enfrentar o problema foram divulgadas ao longo do dia na Praça 22 de Novembro) e políticas voltadas à inclusão de lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros.

Leia também:

“Bullying político” motiva saída de Siraque do PT

 

Compartilhar: